terça-feira, 15 de agosto de 2017

O Imaginário de Romeu Correia e a Feira do 15 de Agosto...


A Feira do 15 de Agosto das Caldas da Rainha continua a fazer-se, mas há muito que não é o acontecimento de outros tempos (a magia que acompanhou a nossa infância, fugiu...). Com as devidas distâncias é aquilo que conhecemos mais próximo do imaginário teatral e ficcional do Romeu, presente a espaços em livros como a "Roberta", "Bonecos de Luz" ou "O Vagabundo das Mãos de Oiro".

Claro que o Portugal da nossa infância (anos setenta...) é muito diferente do de Romeu dos anos vinte e trinta. Nessa altura, por sermos menino de cidade nem faziamos ideia que havia "cinema ambulante", que foi uma das primeiras coisas a maravilharem o grande dramaturgo e escritor almadense...

Mas havia o circo (sempre gostámos de palhaços...), os carroceis, o "poço da morte", que na época era uma das maiores aventuras que se podiam ver e que a mãe nos ia proibindo de ver. Mas houve um ano que assistimos mesmo aqueles malabaristas que com motas especiais, conseguiam andar de pernas para o ar e conduzir de olhos vendados...

Claro que falar desta "magia" aos nossos filhos, faz com que nos olhem de lado e pensem em coisas parecidas com a "pobreza franciscana"...

(Fotografia de Luís Eme - cartaz da exposição "Um Homem Chamado Romeu Correia")

domingo, 6 de agosto de 2017

Romeu e o Laço...


Uma das imagens de marca de Romeu Correia foi o uso do laço, durante uma boa parte da sua vida.

Para muito boa gente que apenas o conhecia de vista, este era mais um dos exemplos da sua vaidade, ou seja, uma forma de se distinguir como homem de letras do comum dos cidadãos.

Recentemente, numa conversa com o seu amigo Alberto Pereira Ramos, este confidenciou-me que o uso do laço foi sobretudo uma forma de resistência do Romeu contra o uso obrigatório da gravata, fato e casaco, na sua profissão de bancário.

(Nesta fotografia Romeu aparece de braço dado com Eunice Munoz e Maria Lalande, que foram as protagonistas da sua peça de teatro, "Jangada", que visita o Ginjal e foi estreada no teatro Vilaret...)

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Cinema de Abril na Incrível com Romeu e Almerinda


Agosto é um mês propício à leveza. É por isso que iremos durante este mês deixar aqui pequenas curiosidades, que de alguma forma demonstram quem foi de facto, o homem que ficou conhecido como Romeu Correia.

Como falámos de cinema e da Incrível na última publicação do blogue, vamos continuar nesta sala de cinema histórica, para vos contarmos um episódio que nos foi transmitido por Francisco Gonçalves, um dos grandes actores amadores de Almada e também um grande Incrível.

Logo após o 25 de Abril, a liberdade fez-se notar de mil e uma maneiras. Nas salas de cinema foi dado relevo às exibição de filmes eróticos, e até pornográficos, proibidos durante a ditadura, que despertaram muita curiosidade, mas também algum pudor.

Foi para combater esses "tabus" sociais, que Romeu Correia e a esposa, Almerinda, fizeram questão de marcar presença numa das primeiras exibições de filmes para adultos no Cine-Incrível. Ou seja, apareceram em nome da Liberdade e nunca da libertinagem. 

Foi exactamente com esse sentido cívico - de alguém que tinha bastante peso socialmente em Almada, como escritor e dramaturgo -, que o Francisco nos contou esse episódio, acrescentando que esta atitude do casal fez com que aumentasse ainda mais a consideração e estima que tinha pelo Romeu e pela Almerinda Correia.

(Fotografia do Arquivo da Incrível Almadense)