terça-feira, 16 de março de 2021

Romeu "Dentro de Outros Livros"...



António Cagica Rapaz, escritor de Sesimbra, que também foi profissional de futebol (ainda jogou na Académica e no Belenenses...) - além de colaborador da imprensa desportiva e da rádio -, era primo de Almerinda Correia, também ela, natural de Sesimbra.

Num dos seus livros de contos, "Janela com Escritos" fala de Almerinda e de Romeu (em "A Morte do Super-Homem"), que transcrevemos com a devida vénia:

«Eu sabia, vagamente, que uma das primas era atleta do Belenenses e tinha um marido campeão de boxe. Porém, eu era demasiado novo para apreciar o convívio com essa prima, a Almerinda e, sobretudo, como o marido-pugilista que, mais tarde, aprendi a apreciar pelo seu carácter e pelas fortes convicções políticas, afirmadas num tempo em que era preciso ter muita coragem para se ser comunista. Mas vim a saber que, à noite, após o trabalho do banco, na Baixa, escrevia peças de teatro, contos e romances, tendo acabado por se tornar um escritor famoso, já que um Homem admirável foi sempre. Romeu Correia é o nome desse primo por afinidade que mal conheci, com grande pena minha...»


sábado, 20 de fevereiro de 2021

O Novo "Cais do Ginjal" de Romeu


Foi uma boa surpresa sabermos que a obra (esgotada) de Romeu Correia vai ser reeditada pelas Edições Colibri, com o apoio da Câmara Municipal de Almada.

Tudo isto graças à Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo de Vila Franca de Xira,  que não baixou os braços, nem desistiu do objectivo, até conseguir o apoio necessário do Município Almadense, que deve ter percebido que só tinha a ganhar, ao associar-se a este projecto.

E o primeiro número já se encontra à venda e tem uma bonita capa.


quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Quando Romeu Correia Fez 70 anos (2)


A Junta de Freguesia de Cacilhas também quis homenagear o escritor Romeu Correia, natural da localidade ribeirinha, na passagem do seu 70.º aniversário e descerrou uma placa na casa onde nasceu...


terça-feira, 17 de novembro de 2020

Quando Romeu Fez Setenta Anos... (1)


Almada homenageou Romeu Correia na passagem dos seus 70 anos, com a edição de uma biografia sua (da autoria de Alexandre M. Flores) e de um disco com poemas da sua autoria (de Luísa Basto e Romeu Correia).


Descobrimos recentemente o folheto da festa, ilustrado com uma aguarela de Cacilhas, de Carlos Canhão.


terça-feira, 6 de outubro de 2020

Amália e Romeu Encontraram-se nos Palcos


Neste ano em que se comemora o centenário do nascimento de Amália Rodrigues, o nome maior do fado e da canção portuguesa (e que nos deixou a 6 de Outubro),  é importante recordar que a 8 de Novembro de 1958, a RTP transmitiu a peça de Romeu Correia, "Céu da Minha Rua", que teve como protagonistas Amália Rodrigues e Varela Silva (à época seu cunhado...).

Foi um encontro memorável de Romeu Correia com Amália nos palcos, num tempo em que a televisão transmitia peças de teatro...

(Fotografia de autor desconhecido)

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

Um Livro por Mês (5)


Depois da representação da peça "Casaco de Fogo", no Teatro Nacional Dona Maria II, em 1953, descrita e apreciada graças ao  seu simbolismo expressivo, à forma como descreve a vida nos bairros pobres, algo que era comum em praticamente todos os meios urbanos.

Foi por isso natural que esta peça fosse editada algum tempo depois (1956), enriquecendo a bibliografia de Romeu Correia.

(Embora esta rúbrica se chame "Um Livro por Mês", a sua periodicidade é variável, como já perceberam)


sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Um Testemunho Especial...


Romeu Correia foi um grande amigo de Henrique Mota, o historiador do desporto almadense, que nasceu há quase 100 anos e no blogue que festeja esta efeméride, foi publicado o testemunho e a imagem que publicamos aqui no blogue.


«Meu caro Henrique Mota, este teu livro fica incompleto sem a tua biografia desportiva, pois tu foste, sem contestação possível, uma figura cimeira do desporto almadenses de sempre. O treinador entusiasta de várias modalidade, o tenaz propagandista da cultura física, o dirigente, o carola, que custeou do seu próprio bolso numerosas iniciativas e, para além disto o excelente atleta que todos admiramos, não pode estar ausente desta obra. A colectânea de biografias desportivas ficaria imperdoavelmente mutilada sem a tua justa presença real. Peço-te pois, em nome da verdade que todo o atleta deve defender, que ela seja inserida num posfácio. Valeu?
Teu velho amigo e companheiro de mil tarefas, que te abraça com a maior admiração e ternura.»


segunda-feira, 20 de julho de 2020

A Peça "Casaco de Fogo" no Teatro D. Maria II


A 16 de Dezembro de 1953 foi estreada no Teatro D. Maria II a peça "Casaco de Fogo", da autoria de Romeu Correia.


A peça foi encenada por Pedro Lemos e teve como  protagonistas Carmen Dolores, Aura Abrantes, Augusto Figueiredo, Luís Filipe, Álvaro Benamor, Jacinto Ramos e Lurdes Norberto.

(Imagens cedidas por José do Carmo Francisco)