terça-feira, 16 de abril de 2019

Reedição da Obra de Romeu Correia


A atitude do Município, de não enviar qualquer resposta ao pedido de audiência da Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo, mereceria vários comentários (todos de reprovação).

É por isso que  o nosso único comentário é dizermos que assinámos o abaixo-assinado, que circulou por Almada, tal como muitas centenas de Almadenses...

(Imagem: cabeçalho do abaixo assinado)

domingo, 7 de abril de 2019

O Tejo, Romeu, Almada e Lisboa...


Romeu Correia, o grande escritor de Almada, também se inspirou no Tejo (que está presente em muitos dos seus livros). 

Ele que viveu parte da infância e adolescência no Cais de Ginjal, quase dentro do "Melhor Rio do Mundo"...

«A vila fica num alto e lá em baixo há o rio. Todo o estuário do Tejo pode ser observado lá de riba, e ainda o anfiteatro de Lisboa que, num rodar de cabeça, abrange do Bugio ao Poço do Bispo. Chama-se Almada, a vila. Terra que pertenceu à moirama, e agora é povoada por gente de trabalho que cedo se habituou a sociabilidade, fundando filarmónicas, centros recreativos e culturais, montepios, cooperativas de consumo e grupos desportivos.»
[...]

[Romeu Correia, in "Sábado sem Sol"]


(Fotografia de Luís Eme - Almada)

Nota: Texto e foto publicados inicialmente no blogue "Olha o Tejo...", de Luís Milheiro, que por razões óbvias, também surge neste blogue, que recorda e festeja Romeu Correia.

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

"Romeu Correia nos 150 Anos da Incrível"


Um dos artigos do número quatro do fanzine "romeo" é "Romeu Correia nos 150 Anos da Incrível", escrito por Orlando Laranjeiro.

Orlando, além de historiar o regresso do Cénico da Incrível, depois de algum tempo de inactividade, tendo como encenador Malaquias de Lemos, que escolheu "As Quatro Estações" como a peça a representar durante as comemorações dos 150 anos da Incrível Almadense, em 1998, realça o seu êxito.

Transcrevemos com a devida vénia:
[...] Assim reapareceu o nosso grupo cénico nos dias 19 e 20 de Junho com a peça "As Quatro Estações" do dramaturgo almadense e sócio honorário da Incrível, Romeu Correia. Foi um autêntico êxito, tanto a estreia no dia 19 com cerca de 500 espectadores. como a representação no dia seguinte que contou com 400 pessoas, o que constitui um recorde de assistências, não vistas há longos anos na nossa Colectividade, em espectáculos deste género. [...]

domingo, 30 de dezembro de 2018

O Número Quatro do Fanzine "Romeo"


Quase no final de ano saiu o número quatro do fanzine "romeo", dirigido por Luís Milheiro.

O título diz quase tudo, "teatralidades & realidades", fala-se de teatro e também de como se olha para o Romeu Correia, em Almada.

Provavelmente fecha-se o ciclo deste fanzine, mas não este blogue. De certeza que irão aparecer, de vez em quando, motivos para recordarmos o Grande Escritor de Almada.

sábado, 17 de novembro de 2018

Romeu Correia na "Mostra"


Uma boa maneira de comemorar mais um aniversário de Romeu Correia, é oferecer o seu teatro ao público.

É o que acontece hoje, com a peça "Romeu Correia Talvez Poeta", que volta a ser apresentada na "Mostra de Teatro de Almada", pela Associação Cultural Manuel da Fonseca.

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

"Romeu Correia Talvez Poeta"


Depois da peça musical, Romeu Correia Talvez Poeta", publicou-se o livro (com cd...), pela Associação Cultural Manuel da Fonseca.

Com prefácio de João Vasco Branco (neto de Romeu), esta obra oferece-nos o texto da peça e as suas canções, ilustradas com fotografias dos actores em cena (Luísa Basto, João Fernando, Gil Marovas e José Carlos Tavares) e também várias pinturas de Carlos Canhão.

sábado, 18 de agosto de 2018

"Almada e o Tejo - Roteiro Sentimental de uma das «minhas» cidades"



«Quando elaborei por escrito e por extenso uma espécie de «memória justificativa» para num certo sentido legitimar o início das minhas crónicas (do Tejo) no «Correio do Ribatejo» dei conta das minhas vivências em 1957 no Montijo (escola primária), em 1961 em Vila Franca de Xira (escola comercial) e em 1997 em Santarém (redactor de O MIRANTE) sem esquecer Lisboa e a Rua do Ouro onde tenho vivido e trabalhado desde 1966 até hoje – 2018. Mas a vida é um mistério e nada acontece por acaso: hoje (15-3-2018) entrei numa livraria com o meu amigo Joaquim Nascimento (ofereceu-me um livro!) e comprei o brasão de Almada. Embora nunca tenho lá vivido nem trabalhado, a verdade é que, desde sempre, me lembro de esta (hoje) cidade fazer parte da minha vida. Há muitos anos morreu na piscina do Seminário de Almada um jovem estudante natural de Santa Catarina (o António) de quem eu era muito amigo. Na altura só me lembro de duas palavras perante a sua morte: dôr e confusão. Dôr pelo desaparecimento dele e confusão pelas circunstâncias nunca esclarecidas da sua morte. Mais tarde Almada foi o lugar onde entrevistei o dramaturgo Romeu Correia para a Revista «A Bola Magazine», entrevista mais tarde englobada no meu livro «As palavras em jogo» e parte dela recordada no livro «Passeio mágico com Romeu Correia» de Luís Alves Milheiro. A propósito deste meu grande amigo e quase-conterrâneo (Salir de Matos fica perto de Santa Catarina) não posso deixar de recordar as suas grandes capacidades informáticas em meu favor (sou um sem-abrigo) e as nossas intermináveis caldeiradas em Cacilhas quando a refeição serve em teoria para actualizar a escrita mas apesar de tudo esta nunca fica, de facto, em dia. A minha filha Ana, o marido e os filhos gostam muito da Casa da Cerca mas isso já é outra crónica.»

(Texto de José do Carmo Francisco, publicado no seu blogue "Mesa dos Extravagantes", a 2 de Agosto, nas suas Crónicas do Tejo, que transcrevemos com a devida vénia, pelas referências feitas a Almada e a Romeu Correia)


sábado, 14 de julho de 2018

O Número Três do Fanzine "romeo" já anda por aí...


Já anda por aí o número três do "romeo" (fanzine quase literário de Almada), com o título: "romeu correia, um académico verdadeiramente incrível".

Ao longo das suas páginas é possível perceber o quanto Romeu admirou a Incrível Almadense, apesar de ter sido Académico (simpatizante, sócio e  dirigente da Academia Almadense... a grande rival).