sexta-feira, 1 de junho de 2018

Romeu Correia não se Esgotou no Centenário (felizmente)...


A professora Edite Condeixa juntamente com as suas companheiras, Ângela Mota e Edita Prada, continuam a manter viva a memória de Romeu Correia.

Foi o que aconteceu na tarde de 30 de Maio, em que patrocinaram o "4º Roteiro sobre Romeu Correia", através de uma visita guiada pela Boca do Vento, pelo Museu Naval, pela Fonte da Pipa e pelo Ginjal, juntamente com os alunos da USALMA, com os livros e com as várias personagens, que andaram por aqueles lugares...


Houve também a leitura de textos de obras de Alexandre Castanheira, Luís Alves Milheiro e Maria Rosa Colaço, que recordam Romeu.

E que bom que é sentir que a obra e a vida de Romeu Correia não se esgotou na passagem do seu centenário, e que é sempre tempo de recordar o grande escritor de Almada.

(Fotografias de Luís Eme)

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Sábado com Sol e com o Romeu em Almada (dois)


Na tarde de sábado a apresentação do livro, "Passeio Mágico com Romeu Correia", acabou por passar para segundo plano, porque o caderno de poemas "Romeu Correia, entre dedicatórias & aproximações", por ser novidade, foi a "vedeta" da tarde.

Os poemas foram lidos (alguns mais que uma vez...) por Clara Mestre, Maria Gertrudes Novais, Gabriel Sanches, Luís Milheiro, Manuela Silva e Arminda Vieira e também conversados, pelo autor, Luís Milheiro (explicou o porquê de alguns poemas...) e por Alberto Pereira Ramos, grande amigo do Romeu.

Mais uma boa jornada cultural de homenagem a Romeu Correia.

(Fotografia de Maria Manuel Pires)

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Sábado com Sol e com Romeu em Almada (um)



Na manhã de sábado a Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal José Saramago, do Feijó, organizou um encontro em Almada com as Comunidades de Leitores de Montemor-o-Velho e de Sines, com o objectivo de visitarem vários lugares ligados à vida literária de Romeu Correia, guiados pela professora Edite Condeixa e pelo bibliotecário Davide Freitas. 

Além da visita, houve também espaço para a leitura de alguns trechos dos seus livros, nos lugares descritos por Romeu.

A Biblioteca da Incrível (e o seu espaço museológico) foi um dos espaços da visita, que terá agradado às três dezenas de visitantes, alguns dos quais ouviram falar pela primeira vez da história gloriosa da Incrível Almadense nesta manhã luminosa.

A recepção a todos estes amantes de livros foi feita pelos seguintes dirigentes incríveis: Alfredo Guaparrão dos Santos, Joaquim Brás, Leonor Borges, Luís Milheiro e Vitor Soeiro.

(Fotografia Luís Eme)

sexta-feira, 18 de maio de 2018

"Os Passeios Mágicos"


Um dos poemas do caderno, "romeu correia, entre dedicatórias & aproximações", de Luís Alves Milheiro, que será apresentado amanhã:

os passeios mágicos


há tanto por contar
nem sei como hei-de começar

quando viajo dentro do passado
recordo algumas coisas que descobri
quando caminhava a teu lado
e percorria os lugares
que trazias dentro de ti

era como se viajássemos de barca
pelo leito do rio da memória
fixando o olhar nas margens
e apontando o dedo
aos imensos casarios com história

sorrio e continuo a sentir
que o melhor das nossas viagens
era quando te tornavas teatral
e pintavas as pessoas como personagens
oferecendo-lhes um brilho especial

há tanto por contar
nem sei como hei-de começar

                                                                Luís [Alves] Milheiro

quinta-feira, 15 de março de 2018

"Romeu Correia lembrado por Carlos Pinhão"


O livro é de Novembro de 1991, tem realização técnica de Vasco Rosa e capa de Henrique Cayatte incluindo tudo sobre o «I Congresso de Escritores de Língua Portuguesa»: discursos, comunicações, debates, moções e saudações. A Comissão Executiva integrou Alexandre Babo, Júlio Conrado, Wanda Ramos, Edite Estrela, Egito Gonçalves e Salvato Teles de Menezes. O texto de Carlos Pinhão intitula-se «Há uma literatura desportiva» e começa deste modo: «Os senhores desculpem mas há dias em que sou lido por um milhão de Portugueses, em Portugal e no estrangeiro.» A explicação é simples: nesse tempo um jogo Benfica-F.C.Porto dava origem a uma tiragem de 250 mil exemplares de A Bola e, como cada jornal em média era lido por 4 leitores, temos o tal milhão. A seguir Carlos Pinhão afirma: «Há uma literatura desportiva! Foi Ruy Belo quem o disse.» E explicando melhor, recorre às palavras do Poeta: «E é bom que ela exista, visto que existe um desporto, é natural que exista uma literatura sobre essa realidade». Entrevistado pelo jornal A Capital em 1969 e por A Bola em 1970, as suas palavras constam do livro Na senda da Poesia: «Penso que os jornalistas desportivos escrevem bem, conseguem uma coisa que eu gostaria que se conseguisse no domínio da cultura e que é a adesão do povo àquilo que escrevem.» Retomando as palavras de Carlos Pinhão, passamos a citar: «Essa adesão é particularmente significativa no tocante a muitos e muitos milhares de emigrantes portugueses que têm, nos jornais desportivos que recebem, o único elo que os liga à literatura da terra-mãe. Entretanto, continua a faltar, na literatura portuguesa, um romance que tenha por fundo o mundo do futebol, depois das experiências havidas com o romance de Hugo Rocha e, sobretudo, o de Romeu Correia, com o seu Desporto-Rei

[texto de José do Carmo Francisco - fotografia de autor desconhecido] 
     

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Convite para os Mais Distraídos...


A grande exposição sobre Romeu Correia, patente no Museu da Cidade de Almada, poderá ser visitada até 24 de Fevereiro.

É uma boa oportunidade para todos aqueles que andaram "distraídos" em 2017, para poderem recordar ou ficar a conhecer o Homem Chamado Romeu Correia, que foi quem melhor promoveu Almada no mundo da literatura, até aos nossos dias...