sábado, 16 de setembro de 2017

Romeu Correia na "Vértice"


Em Março de 1968 a "Vértice" - Revista de Cultura e Arte (n.º 294) - publicou as respostas de Romeu Correia ao inquérito que lhe fez sobre a "Situação do Teatro em Portugal".

Romeu nas suas dez respostas diz-nos muito sobre o  que pensava do teatro no nosso país, de uma forma geral.

Uma das respostas que achámos mais curiosas foi sobre o seu sentido prático nos palcos, a sua intervenção nas encenações (onde também historiou o seu percurso):

«Quando trabalho um texto de teatro, “experimento-o” a toda a hora sobre o palco da minha imaginação. Só assim a função é parida sem perder a medida e a força do espectáculo a que se destina. Muito cedo fui amador dramático e escrevinhador de farsas carnavalescas para as récitas das sociedades recreativas da minha terra. Sou um produto da intensa vida associativa de Almada.
Sei que o espectáculo teatral depende do trabalho de uma equipa que se quer humilde. Grupo cénico com intelectuais de ocasião a botar sentenças (e quantas vezes sem a mínima vocação para o teatro) é coisa condenada ao malogro. Quer isto dizer que, como autor de um texto, ouço todos os reparos, discuto-os – e aceito sem pestanejar as melhore sugestões. E assim continuarei.»

domingo, 10 de setembro de 2017

A Atribuição da Rua Romeu Correia


Já sabíamos a história da atribuição da Rua Romeu Correia, contada pelo seu preponente e nosso amigo Fernando Barão.

Mas ontem numa pequena conversa com o escritor e associativista de Almada, ficámos a saber mais um pormenor. Romeu Correia foi a primeira pessoa a saber desta ideia de Fernando Barão. Ainda antes deste a apresentar na reunião de Câmara, da qual era vogal da Comissão Administrativa, presidida por Silveira Júnior, Fernando confidenciou a sua vontade ao Romeu, deixando-o completamente surpreendido e fazendo-o prometer que não diria nada a ninguém.

No começo dos anos 1970 Almada abria ainda mais os seus horizontes, urbanizou e fez arruamentos nas proximidades da então Quinta da Alegria (pensamos que a melhor referência para vos indicarmos este lugar é o campo de futebol do Beira Mar de Almada...). Era preciso atribuir topónimos e Fernando Barão, como figura ligada à cultura Almadense apresentou três propostas: Romeu Correia, o grande dramaturgo português nessa época - a par de Bernardo Santareno; João Luís da Cruz, grande conhecedor e defensor da cultura e história almadense; "Jornal de Almada", o único semanário existente na época, pelo seu excelente trabalho em prole do concelho e dos habitantes de Almada (foram também atribuídas duas pracetas a Columbano Bordalo Pinheiro e ao esgrimista Jorge Paiva, ambos naturais do Concelho).

A proposta foi de tal maneira apresentada pelo Fernando Barão, que foi aprovada por todos, sem quaisquer argumentos para contrariar a sua tese, que valorizou o papel do Romeu como escritor e dramaturgo como grande figura da cultura nacional, talvez a única nesse tempo, acrescentamos nós.

Romeu ficou um pouco indeciso, mas muito satisfeito com esta homenagem, até por saber que era uma raridade alguém no nosso país ver-lhe atribuída uma artéria em vida. E ainda por cima toda a gente sabia do passado democrático de Romeu Correia, desde os anos 1940, em que fez parte da Comissão da Freguesia de Almada do MUD, e principalmente da sua obra literária, onde nunca calou a exploração e a repressão de que eram vítimas os trabalhadores das várias indústrias do Concelho.

Romeu falou com vários amigos, oposicionistas e figuras da cultura almadense, que o aconselharam a aceitar esta atribuição, pois seria também uma homenagem  prestada ao povo de Almada.

(Fotografia de Luís Eme)

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

"Rio de Contos" com Romeu Correia


«Nos dias 8, 9 e 10 de Setembro a Divisão de Arquivo e Bibliotecas, dinamiza o 3º Encontro de Narração Oral de Almada, Rio de Contos, o qual ocorrerá nas freguesias de Almada e Pragal.

O programa do 3º Encontro de Narração Oral de Almada, Rio de Contos,  pretende também contribuir para assinalar o 100º aniversário de nascimento de Romeu Correia e também o 20º aniversário do Fórum Municipal que tem o seu nome, concentrando as atividades neste equipamento e na sua envolvente.



As histórias vão sair da biblioteca e vão até ao Restaurante Forno de Cima para ouvir e contar histórias vividas com Romeu Correia e no dia 9 vão espalhar-se pelo parque num piquenique de histórias, continuando no domingo dia 10  na Biblioteca.»

(Notícia difundida pela Biblioteca Municipal de Almada)

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Romeu Correia Homenageado na Festa do Avante


Romeu Correia embora nunca fosse militante, sempre foi próximo do PCP, inclusive antes da Revolução de Abril.

É por essa razão que achamos muito bem que Romeu tenha sido homenageado durante a Festa do Avante, no palco do Avanteatro, com a reposição das peças, "Bonecos de Luz", da Companhia de Teatro de Almada (na sexta-feira, dia 1 de Setembro, às 20.30 horas) e "Cravo Espanhol", do Teatro de Terra (no sábado, dia 2 de Setembro, às 21 horas).

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

De Novo "Um Homem Chamado Romeu Correia"...


Escolhemos o primeiro dia de Setembro para voltarmos a visitar a exposição, "Um Homem Chamado Romeu Correia" (foi a terceira vez...), por um acaso calculado (estarmos a pouco mais de 100 metros do Museu da Cidade antes das três da tarde...).

O motivo? Reencontrar o Romeu e tentar descobrir pequenos nadas que nos estivessem escapado nas duas primeiras visitas.

Por um lado foi possível apreciar com mais cuidado a excelência de todo o trabalho criativo de José Manuel Castanheira. Por outro, pudemos questionar em silêncio, o porquê da escolha de alguns materiais, em detrimento de outros, algo que acontece em todas as exposições que são sobretudo biográficas...

(Fotografia de Luís Eme)

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

O Desaparecido "Trapo Azul"...


A vida está cheia de acontecimentos estranhos, que normalmente escapam ao nosso entendimento. 

Um ano antes da comemoração do Centenário do Romeu Correia, o proprietário do restaurante, que tinha o nome de um dos seus livros, o "Trapo Azul", que ficava na rua Capitão Leitão, mesmo em frente do cinema da Academia Almadense, faleceu de repente, e esta simpática casa de pasto fechou...

Entretanto abriu uma nova casa, com um novo nome, e que também serve comidas.

Na verdade teria sido bonito, neste ano do centenário do Romeu, o "Trapo Azul" estar aberto e ser espaço de tertúlias sobre o grande escritor de Almada...

Havia um pequeno quadro pendurado no restaurante que identificava o "Trapo Azul", escrito por Orlando Laranjeiro, que transcrevemos:

"Trapo Azul"
  
Memória viva da história da nossa Terra

Retalhos que marcaram a vida do povo de Almada,
escritos e contados de forma insuperável, pelo
grande escritor Almadense: ROMEU CORREIA

                                            Orlando Laranjeiro

(Fotografia de Luís Eme)

sábado, 26 de agosto de 2017

Alexandre Castanheira, Amigo e Biógrafo de Romeu Correia


Alexandre Castanheira faz hoje 90 anos (embora só tenha sido registado em 28 de Fevereiro de 1928) e faz todo o sentido escrever sobre ele no blogue sobre a vida e obra de Romeu Correia, especialmente hoje.

Primeiro que tudo Alexandre e Romeu foram amigos, ambos estavam  ligados às bibliotecas das duas principais Colectividades Almadenses (Incrível e Academia), quando estas apoiaram a estreia literária de Romeu, com o livro de contos, "Sábado sem Sol".

Fruto dessa amizade e admiração, Alexandre acabou por escrever o livro, "Romeu Correia, Memória Viva de Almada", publicado em 1992 pela Câmara Municipal de Almada.

Esta obra acaba por complementar uma outra biografia da autoria de Alexandre M. Flores, também editada pelo Município de Almada, em 1987, "Romeu Correia, o Homem e o Escritor".

Neste livro - que aconselhamos vivamente a todos os apaixonados pela obra de Romeu - Alexandre Castanheira, além de contar a vida de Romeu, liga-o a Almada, às pessoas e aos lugares, utilizando várias transcrições dos seus livros, numa bela viagem literária. 

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

"Todos os Braços Úteis"


Estas são as palavras de J. O., sobre a fotografia de Romeu Correia, da autoria de Fernando Lemos (datada entre 1949 e 1952), que esteve em exposição no Museu Berardo, no Centro Cultural de Belém, intitulada, "Todos os Braços Úteis":


«Esta atenção aos braços e mãos de Romeu Correia poderia ter a ver com o facto de ter praticado boxe amador nos anos quarenta, chegando a campeão nacional nesta modalidade. No entanto, outras leituras podem ser feitas a partir do facto de ter sido a sua vontade e esforço de autodidacta que lhe permitiram ultrapassar uma instrução básica para tornar-se um escritor e dramaturgo, reflectindo sempre as preocupações do neo-realismo.

Este movimento, que pictoricamente muitas vezes evidenciava as mãos e os braços dos camponeses e operários como a sua força e ferramenta de sustento, tinha obviamente preocupações sociais, que Romeu Correia partilhava. Estas reflectiram-se logo no seu primeiro livro de contos, Sábado Sem Sol (1947), que a PIDE tentou apreender.


A sua generosidade e vontade de dinamização levaram-no a dedicar-se de igual modo às colectividades de Almada, cidade onde nasceu e viveu, nomeadamente na expansão das suas bibliotecas e na organização de palestras (Incrível Almadense e Academia Almadense). Hoje tem o seu nome inscrito no Fórum Municipal desta cidade e numa Escola Secundária do Concelho.»

terça-feira, 15 de agosto de 2017

O Imaginário de Romeu Correia e a Feira do 15 de Agosto...


A Feira do 15 de Agosto das Caldas da Rainha continua a fazer-se, mas há muito que não é o acontecimento de outros tempos (a magia que acompanhou a nossa infância, fugiu...). Com as devidas distâncias é aquilo que conhecemos mais próximo do imaginário teatral e ficcional do Romeu, presente a espaços em livros como a "Roberta", "Bonecos de Luz" ou "O Vagabundo das Mãos de Oiro".

Claro que o Portugal da nossa infância (anos setenta...) é muito diferente do de Romeu dos anos vinte e trinta. Nessa altura, por sermos menino de cidade nem faziamos ideia que havia "cinema ambulante", que foi uma das primeiras coisas a maravilharem o grande dramaturgo e escritor almadense...

Mas havia o circo (sempre gostámos de palhaços...), os carroceis, o "poço da morte", que na época era uma das maiores aventuras que se podiam ver e que a mãe nos ia proibindo de ver. Mas houve um ano que assistimos mesmo aqueles malabaristas que com motas especiais, conseguiam andar de pernas para o ar e conduzir de olhos vendados...

Claro que falar desta "magia" aos nossos filhos, faz com que nos olhem de lado e pensem em coisas parecidas com a "pobreza franciscana"...

(Fotografia de Luís Eme - cartaz da exposição "Um Homem Chamado Romeu Correia")

domingo, 6 de agosto de 2017

Romeu e o Laço...


Uma das imagens de marca de Romeu Correia foi o uso do laço, durante uma boa parte da sua vida.

Para muito boa gente que apenas o conhecia de vista, este era mais um dos exemplos da sua vaidade, ou seja, uma forma de se distinguir como homem de letras do comum dos cidadãos.

Recentemente, numa conversa com o seu amigo Alberto Pereira Ramos, este confidenciou-me que o uso do laço foi sobretudo uma forma de resistência do Romeu contra o uso obrigatório da gravata, fato e casaco, na sua profissão de bancário.

(Nesta fotografia Romeu aparece de braço dado com Eunice Munoz e Maria Lalande, que foram as protagonistas da sua peça de teatro, "Jangada", que visita o Ginjal e foi estreada no teatro Vilaret...)